ESSÊNIOS - FARISEUS - SADUCEUS - ZELOTES E YESHUA   ישוע

 

Comparações e diferenças das seitas judaicas no tempo de Yeshua. O que eles tinham em comum com Yeshua HaMashiach?

 

1 – O CONTEXTO DA ÉPOCA

Principais segmentos do Judaísmo na época de Yeshua. Todas elas derivaram do movimento Hassidim (os “pios”) que lutaram contra a dominação helenista:

 

צדיקים TSADUKIM (SADUCEUS)

- Não criam no mundo espiritual (anjos e demônios);

- Não criam na ressurreição nem no Olam Habá;

- Criam somente na Torá (pentateuco), e não nos demais livros do Tanach (Livros dos

profetas);

- Eram contrários à Torá Oral (Pela tradição Mosheh havia recebido uma Torá extra,

paralelamente e esta mesma devia ser transmitida apenas oralmente);

- Por serem levi'im (levitas), procuravam deter domínio político sobre as atividades do

Beit HaMikdash (Templo);

- A história conta, por diversas fontes, que os tsadukim (saduceus) corromperam o sacerdócio do Templo.

אִסִּיִים  ISSI'IM (ESSÊNIOS)

- Eram levi'im (levitas) que se isolaram, em protesto a corrupção do sistema do Beit HaMikdash (Templo);

- Eram igualmente contrários à Torá Oral e aos exageros rabínicos (halachá);

- Criam na batalha entre os Filhos da Luz x Filhos das Trevas;

- Criam na iminência do Fim dos Tempos;

- Possuíam um complexo sistema de purificação com mikveh (imersão);

- Eram extremamente místicos;

- Muitos (mas não todos) se isolavam em comunidades;

- Tinham um grande senso de coletividade, mas apenas para com os membros da comunidade;

- Criam que haveria 2 Messias: um sacerdotal, para restaurar o Templo, e um monarca, para trazer a vitória aos “Filhos da Luz”.

קנאים -  KANA'IM - OS ZELOTES

- Eram uma facção extremamente militarista e violenta; - Faziam oposição frontal ao regime Romano; - Desejavam a libertação política de Israel. Poucos registros temos sobre eles.

 

פרושים P’RUSHIM (Fariseus)                                                                                              A Torá Oral dos Perushim

- Os precursores do Judaísmo Ortodoxo atual;

- Criam no mundo espiritual;

- Criam na ressurreição, e no Olam Habá (Eternidade);

- Criam nos livros do Tanach (de Yehoshua (Josué) à Malaquias), mas também

na autoridade da chamada “Tradição dos Pais”, que deu origem à compilação da

Mishná;

- Disputavam fortemente o poder político-religioso com os Tsadukim (saduceus);

- Criam que o Messias traria a libertação política de Israel e a consolidação do seu

movimento; 

- Havia dois grupos principais: Beit Hilel que defendia o chamado “espírito da Torá”

– uma observância mais leve. Beit Shamai que defendia a chamada “letra

da Torá" – uma observância extremamente legalista da Torá.

2 – O NASCIMENTO PROFÉTICO

- Manjedoura ou Suká? (Lc. 2:12-16);

- A recepção da Torá = Yeshua, a Torá em prática;

- Yeshua o representante legal de Hashem entre os homens. 

3 –  גליל גויים - GALIL HAGOYIM (Galileia dos gentios):                                              Galileia dos gentios

A COMUNIDADE DE YESHUA

– Fundada pelos descendentes de David haMelech (rei David);

– Região muito rica por causa da indústria da pesca e da fertilidade da terra;

– Mais de 200 barcos operavam na região. Ter um barco era símbolo de

status; “Alguém pode chamar este local de ambição da natureza” – Flavio Josefo (que em hebraico:  Yosef ben Mattityahu - יוסף בן מתתיהו;

- A Yeshivá (escola de profetas) de Galil: - Segunda Yeshivá mais importante de Israel;

- Local onde foi compilado o Talmud Yerushalmi;

- Local onde foi compilada a Hagadá de Pêssach (páscoa);

- Coração da Beit Hillel (Casa Hillel).

– Os Dois Lados da Galil HaGoyim: Comunidade Ultra-Ortodoxa x Os Efraimitas (Talmud Shab. 14b, 15a) vide Mt. 9:11, Jer. 50:6 e Mt. 15:24 4

4 – A INFÂNCIA DE YESHUA - ישוע

- Circuncidado ao oitavo dia;

- Desde pequeno, fora ensinado as Escrituras (vide Lc. 2:52);

- O que era esperado de um menino judeu do 1º século? Aos 13 anos, ao atingir sua maioridade, teria memorizado as principais diretrizes da Torá chegado à observância das mitsvot (mandamentos).

5 – COM QUEM YESHUA ESTUDOU?

- Com seu pai, Yosef, aprendeu os preceitos da Beit Hillel;

- Enfoque do ensino: - Ênfase no amor ao próximo e a Elohaim;

- Ênfase no espírito da Torá. Buscar o entendimento da essência das mitsvot (mandamentos);

- Brandura e paciência ao ensinar;

- Com seu primo, Yochanan Bar Zachariyah, aprendeu o caminho dos essênios;

- Enfoque na luta entre o bem e o mal; - Mensagem apocalíptica: Filhos da luz x Filhos das trevas;

- Mensagem de purificação; - Trazer o Malchut HaShamayim (Reino dos Céus).

PARALELOS ENTRE YESHUA E A BEIT HILLEL:

 a) Orar Pelos Inimigos:

"se alguém busca te fazer o mal, farás bem em orar por ele" (Testamento de Yosef XVIII.2) – Vide Matitiyahu 5:44;

b) Tamanho dos tsitsiyot:

Em Menahot 4, no Talmud, encontramos o Rabino Shammai querendo fazer tsitsit mais largos do que os seguidores da Escola de Hillel (Menahot 4) - Vide Matitiyahu 23:5;

c) A Validade da Torá:

"Se o mundo inteiro estivesse reunido para destruir o yud, que é a menor letra da Torá, eles não seriam bem sucedidos" (Shir HaShirim Rabbah 5.11; Vayicrá Rabbah 19). "Nenhuma letra da Torá jamais será abolida" (Shemot Rabbah 6.1). – Vide Matitiyahu 5:17-18;

d) A Misericórdia "Aquele que é misericordioso para com os outros receberá misericórdia do Céu" (Talmud - Shabbat 151b) – Vide Matitiyahu 5:7;

e) O Cisco e a trave:

"Eles falam 'Remova o cisco do seu olho?' Ele retrucará, 'Remova a trave do seu próprio olho" (Talmud - Baba Bathra 15b).– Vide Matitiyahu 7:3;

f) O que é lícito fazer no Shabat:

"É lícito violar um Shabat para que muitos outros possam ser observados; as leis foram dadas para que o homem vivesse por elas, não para que o homem morresse por elas." Todas as seguintes coisas eram lícitas no Shabat, segundo a escola de Hillel (os p'rushim que debatiam com Yeshua certamente eram da escola de Shammai): salvar vidas, aliviar dores agudas, curar picadas de cobra, e cozinhar para os doentes (Shabat 18.3; Tosefta Shabbat 15.14; Yoma 84b; Tosefta Yoma 84.15) – Vide Marcus 3:4;

g) O Shabat feito para o homem 

"o Shabat foi feito para o homem, e não o homem para o Shabat," (Mekilta 103b, Yoma 85b). Além disto, os Rabinos da escola de Hillel frequentemente citavam Hoshea (Oséias) 6:6 para argumentar que ajudar os outros era mais importante do que observar ritos e costumes (Sukkah 49b, Devarim Rabba em 16:18, etc.) – Vide Marcus 2:27;

h) Exageros nos rituais de purificação:

Um rabino da Beit Hillel, Yochanan ben Zakai, contemporâneo de Yeshua, disse: "Na vida não são os mortos que te fazem impuros; nem é a água, mas a ordenança do Rei dos Reis, que purifica." - vide Marcus 7;

i) Salvação Pela Graça:

Os rabinos da escola de Hillel também eram partidários da tese de que é pela graça do Eterno que somos salvos, e não por mérito de obras: “Talvez Tu tenhas grande prazer em nossas boas obras? Mérito e boas obras não temos; aja para Conosco em graça." (Tehillim Rabbah, 119:123); 

 

j) A Ressurreição:

A Escola de Hillel também teve disputas com Saduceus a respeito da questão da ressurreição dos mortos. Veja o que o rabino Gamaliel, neto de Hillel e contemporâneo de Yeshua, disse, referindo os Saduceus a Devarim (Deuteronômio) 11:21 ou Shemot (Êxodo) 6:4:    " ...a terra que HaShem jurou dar aos seus pais," o argumento é lógico e convincente: "Os mortos não podem receber, mas eles viverão novamente para receber a terra " (Talmud - Sanhedrin 90b) – Vide Lucas 20:37-38; 

l) O Banquete e o Malchut haShamayim (Reino dos Céus):

O rabino Yochanan ben Zakkai também conta uma parábola semelhante a de Ye’shua, a respeito de convidados de um rei para o banquete Messiânico, ao comentar Yeshayahu (Isaías) 65:13 e Eclesiastes 9:8 (vide Talmud – Shabbat 153a);

m) Sede Pacificadores e Amem aos Outros:

 "Sejam discípulos de Aaron, amando a paz e perseguindo a paz, amando as pessoas e as trazendo para perto da Torá" (m.Avot 1:12) - Vide Matitiyahu (Mt) 5:9 e Yochanan (Jo) 13:34 13). 

A REGRA DE OURO

A "Regra de Ouro" de Hillel, o seu ensinamento mais famoso:

"...e [Hillel] disse a ele "Não faça aos outros o que não deseja que façam a você: esta é toda a Torá, enquanto o resto é comentário disto; vai e aprende isto." (b.Shab. 31a) Esta regra, que era a base de todo talmid (discípulo) da Beit Hillel, é citada explicitamente por Ye’shua. Vide Matitiyahu 7:12. 

– PARALELOS ENTRE YESHUA E OS ESSÊNIOS

a) Unidade em Amor:

Os essênios promoviam a unidade (Yachad) em amor. (Filo; A Hipotética 11:2) – Vide Yochanan (Jo) 17:21;

b) Conselho dos 12:

Os essênios estabeleciam um conselho de 12 para direcionar a comunidade (1Q58:1). Compare isto com a autoridade dada a Yeshua para os 12 talmidim (discípulos), a fim de que eles pudessem gerenciar o povo;

c) Contrários a Juramentos:

Os essênios eram frontalmente contra juramentos (Documento de Damasco - Geniza A; Col. 15; Linhas 1-3) – compare com Matitiyahu 5:33-37;

d) Viagens para pregar o malchut hashamayim (reino dos céus):

Sobre as viagens dos essênios para pregarem a Palavra do Eterno, veja o que diz o historiador Flavio Josefo: "...e se alguém do segmento deles vem de outros lugares, o que eles têm permanece aberto a eles, como se fossem um deles... como se fossem conhecidos deles de muito tempo. Por esta razão eles não levam nada consigo quando viajam a lugares remotos, apesar de ainda levarem suas armas, por medo de ladrões.Da mesma forma, existe em cada cidade onde eles vivem, alguém com a atribuição particular de cuidar dos estranhos, e prover roupas e outras necessidades para eles." (Josefo; Guerras 2:8:4) – Vide Matitiyahu (Mt) 10:9-11 e Lucas 22:38 5;

e) O Divórcio:

"... eles são pegos em duas armadilhas: fornicação, por pegarem duas esposas ao longo de suas vidas apesar do princípio da criação ser: "macho e fêmea Ele os criou." (Documento de Damasco - Col. 4 - linha 20 a Col. 5 - linha 1) – Vide Matitiyahu MT 19:4-6;

 

f) condenando as takanot:

A Halachá (Ensinos rabínicos) sobre a questão de "Korban" (uma oferta) ser usada como desculpa para violar a Torá (vide Matitiyahu MT 15:1-8) – é encontrada de forma similar entre os essênios (Documento de Damasco 16:13; 

 

g) Água viva:

No capítulo 4 de Yochanan (João), encontramos a alegoria da "Água Viva" saindo do poço de Ya'akov (Jacó) e trazendo a salvação e a vida eterna. No Manual de Disciplina dos Essênios, a lição da "água viva" é encontrada e retirada simbolicamente do poço de Bamidbar (NM) 21:8, identificado pelo pergaminho como sendo a Torá. Podemos concluir que Yochanan (João) 4 é uma Midrash (interpretação alegórica), baseada num conceito existente entre os essênios naquela época, para concluir que Ye’shua é a Torah Viva, nossa fonte de vida eterna (Compare Yochanan 4:10 e Documento de Damasco VI, 4-5; VII, 9 - VII, 21);

 

h) Pêssach (páscoa) messiânica:

O uso do Sêder de Pêssach (a ceia da "Páscoa Judaica") como sendo um banquete messiânico, também era um conceito essênio (Josefo - Guerras 2:8:5; Manual de Disciplina 6:3-6 e 1QSa. 2, 17-21;

 

i) Filhos da luz:

O conceito de serem 'Bnei Or' (Filhos da Luz - compare Lucas 16:8 e Yochanan (João) 12:36 com o Manual de Disciplina 1,9: 2,24; 1QM)

 

j) Critérios do messias:

Yeshua conhecia bem o Messias esperado pelos essênios. Veja a explicação que ele deu a Yochanan Bar Zachariyah em Lucas 7:22. Agora compare com o critério do Messias esperado pelos essênios: "[os céus] e a terra ouvirão ao Seu Messias, e ninguém se afastará dos mandamentos dos santos. Vocês que buscam a Ha’Shem, fortaleçam-se no serviço dEle! Todos vocês esperançosos em (seu) coração, vocês não encontrarão Ha’Shem nisto? Porque Ha’Shem considerará os hassidim (pios) e chamará os justos pelo nome. Sobre os pobres o Seu espírito pairará e renovará os fiéis com o Seu poder. E Ele engrandecerá os hassidim (pios) no trono do Reino Eterno. Ele que libera os cativos, restaura a visão dos cegos, endireita os [tortos]... E Ha’Shem fará coisas gloriosas que nunca houveram... Pois Ele curará os feridos, e reviverá os mortos e trará as boas novas aos pobres..." (4Q521) 11);

 

l) Luz da vida:

O conceito da "luz da vida" (Yochanan 8:12 & Man. Disc.3, 7)

 

6 – O MINISTÉRIO DE YESHUA O P'RUSH

- Yeshua é chamado na B’rit Chadashá (nova aliança) de “rabino”.

 

O que significava ser rabino no 1º século?

a) - Um rabino não era um cargo eclesiástico, mas sim um professor - Não era qualquer um que era chamado de rabino. Apenas os p’rushim mais respeitados eram chamados assim;

 

b) - Por que Yeshua só iniciou seu ministério aos 30 anos?

- Era o tempo necessário para que um p'rush completasse sua formação e começasse a treinar discípulos.

- Os dois tipos de rabinos no 1º século: Tempo Parcial x Tempo Integral (itinerantes);

– somente os grandes hachamim (Início do ministério)

a) – A Função de Um Rabino Segundo o Pirkei Avot (Ética dos Pais), estas eram as funções de um rabino:

1 - Seja deliberado em seu julgamento;

2 - Forme muitos talmidim (discípulos);

3 - Faça uma cerca para a Torá.

Yeshua cumpriu estas funções?

– Vide Yochanan 8:3-11; Yochanan 4:1; Matitiyahu (MT) 5:27-28 b)

– Diferenças entre Yeshua e os Demais Rabinos

O que tornavam Yeshua especial com relação aos outros rabinos?

a) – Nenhum rabino jamais havia anunciado que o Malchut HaShamayim (Reino dos Céus) havia chegado;

b) – Nenhum rabino jamais fez sequer um terço dos milagres feitos por Yeshua;

c) – Nenhum rabino jamais teve tantos talmidim (discípulos);

d) – Nenhum rabino jamais levou tanta gente a fazer teshuvá (retorno) aos preceitos da Torá;

e) – Nenhum rabino jamais teve semichá (autoridade) recebida diretamente de Ha’Shem;

f) – Nenhum rabino jamais curou tantas pessoas (física e espiritualmente);

g) – Nenhum rabino jamais se fez maldição para conceder vida aos Filhos de Elohá;

h) – Nenhum rabino jamais viveu uma vida perfeita, sem mácula.

i)  – Nenhum rabino jamais ressuscitou dos mortos;

j) – Nenhum rabino jamais afirmou ser Ben Elohim Chayim (filho do Elohim Vivo).

7 - OS HÁBITOS DE YESHUA COMO TODO JUDEU RELIGIOSO DE SUA ÉPOCA:

- Usava talit (Manto de oração) como parte de sua vestimenta regular (Matitiyahu 9:20-21);

 - Nas portas de sua casa, havia o Shema escrito (mezuzot) -Devarim 6:9;

- Orava no mínimo 3 vezes ao dia;

- Celebrava os moedim (festivais bíblicos) e outras festas judaicas. Exemplos: - Sukot (festa das cabanas) (Yochanan (Jo) 7); - Pêssach (Páscoa) (Matitiyahu (MT) 26:18); - Chanuká (Festa das luzes) (Yochanan 10:22-23);

- Ia à sinagoga no Shabat (Marcus 1:21);

- Recitava o Shema (Marcus 12:29-30);

- Alimentava-se de acordo com a cashrut (Leis dos alimentos limpos) (vide Lev. 11);

- Não pregava uma nova mensagem, mas sim os preceitos da Torá (Matitiyahu 19:17);

 

 

8 – YESHUA E OS P’RUSHIM (FARIZEUS)

- Por que a relação entre Yeshua e os P’rushim parecia ser tão controversa?

- A resposta pode estar no conflito entre Beit Hillel x Beit Shamai;

- Muitos dentre os p’rushim da Beit Hillel se tornaram talmidim de Yeshua;

- Quais eram os principais problemas apontados por Yeshua entre os p’rushim? (Mt. 23);

“Portanto, tudo o que ele Mosheh vos disser, isso fazei e observai; mas não façam segundo os takanot e ma'assim deles; porque falam e não praticam.” (Matitiyahu 23:3);

- takanot v’ma’assim (s’yag) – proibidos pela Torá;

- takanot que invalidavam a palavra de Elohim – Mt. 15:1-6;

- se achavam no direito de julgar os demais.

 

9 – OS DISCÍPULOS DE YESHUA

1 – O QUE SIGNIFICAVA SER UM TALMID?

- Discipulado: costume iniciado por Ezra e os homens da Grande Assembléia;

- Quantos anos tinham os talmidim (discípulos) de Yeshua? (possível dica em Mt. 11:25);

- “Cobertos do pó do rabino”; - Aprendiam os hábitos do rabino: como comer, como orar, como jejuar, etc;

- Aprendiam a ensinar como o rabino e contar as mesmas parábolas;

- Ao contrário da nossa cultura, viviam em tempo integral com seu mestre;

- Seu objetivo era ser como o mestre (Lucas 6:40);

 

2 – O RELACIONAMENTO ENTRE UM TALMID E UM MESTRE

- Autoridade maior do que a dos próprios pais;

- O rabino era como um pai, e os seus talmidim eram sua ‘casa’ (família);

- O pai biológico trazia ao Olam Haze, o pai-rabino conduzia ao Olam Habá (Talmud Bava Metsi'a 2:11);

3 – AS QUATRO MISSÕES DE UM TALMID

- Memorizar as palavras do rabino;

- Aprender as interpretações e tradições do rabino;

- Imitar as ações do rabino;

- Formar outros talmidim.

 

10 – ENTENDENDO AS PALAVRAS DE YESHUA

Para entender as Palavras de Yeshua é necessário compreender o sistema de interpretação judaico PaRDeS: - P'shat: Simples - Remez: Sugestão - Drash: Busca - Sod: Oculto. Importa dizer que:

1º - Estes 4 métodos de estudo da Torá implica profundidade; isto é, a interpretação literal do quarto nível, o Sod (oculto), jamais poderá contradizer ao  P'shat que é o primeiro nível. Assim nenhum nível poderá ser usado para contradizer outro. Estamos falando de profundidade, não de mensagens diferentes ou contraditórias.

2º -   É interessante dizer também que as iniciais de cada nível juntamente formam a palavra  PRDS - PaRDeS que significa Jardim ou, por extensão, Paraíso. Compreendendo e colocando em prática o PaRDeS chegamos ao Gan Eden (Jardim , Paraíso novamente.

11 – O QUE REALMENTE É A GRANDE COMISSÃO?

“Portanto ide, fazei talmidim em todas as nações em Meu Nome” (Matitiyahu 28:19 original)

- O que será que Yeshua desejava?  Pessoas que se tornariam seus seguidores pois nome em contexto hebraico implica caráter. Yeshua nos convida a andarmos segundo suas pisaduras. Obediência á Torá.  

12 -  OS NETSARIM

1 – Quem eram?

a) – SEGUNDO OS CHAMADOS “PAIS DA IGREJA” - Os netsarim (nazarenos) eram aqueles "... que aceitam o Messias de uma forma que não deixam de observar a "velha Lei"..." (Jerônimo) - "Mas estes sectários... não se chamavam de cristãos - mas de 'nazarenos'... contudo, são simplesmente judeus completos. Eles não só usam o Novo Testamento como também o Antigo Testamento, como o fazem os judeus... Eles não possuem diferentes idéias, mas confessam tudo exatamente como a Torá descreve e na forma judaica - exceto, porém, por sua crença no Messias. Pois eles reconhecem tanto a ressurreição dos mortos quanto a criação divina de todas as coisas, e declaram que Elohim é Um, e que o Seu Filho é Yeshua o Messias. Eles são bem treinados no hebraico. Pois dentre eles a Torá inteira, os Nevi'im (Profetas) e... os Ketuvim (Escritos)... são lidos em hebraico, como certamente o são entre os judeus. Eles são diferentes dos judeus, e diferentes dos cristãos, apenas no seguinte: Eles discordam dos judeus porque chegaram à fé no Messias; mas como eles ainda estão na Torá -- circuncisão, o Shabat, e o restante -- eles não estão de acordo com os cristãos... eles não são nada mais do que judeus... Eles possuem as Boas Novas de acordo com Matitiyahu completamente em hebraico. Pois está claro que eles ainda preservam-nas no alfabeto hebraico, tal qual foram escritas originalmente." (Epifânio; Panarion 29). 

Ob: Diferentemente de algumas organizações atuais que se intitulam Netsarim, os netzarim relatado por Epifânio não concebiam a crença num messias Elohim. Epifânio, ao descrever suas crenças, relata categoricamente que eles sabiam a diferença entre Yeshua e seu Pai YHWH : "...e declaram que Elohim é Um, e que o seu filho é Yeshua o Messias..."

b) – RESUMO HISTÓRICO

- Até cerca de 150DC, era o principal grupo dos seguidores do Messias;

- Após 150 DC: dois grupos distintos – Netsarim (judeus e discípulos dos judeus) e Cristãos (fé no Messias + filosofia greco-romana);

- Considerados como extintos na época da Inquisição.

 

c) – ORIGEM DO TERMO

- Netsarim vem do termo ‘netser’, que significa ‘ramo’, numa alusão à profecia messiânica de Yeshayahu 11:1

d) – ERA UMA SEITA DENTRO DO JUDAÍSMO. NÃO SE CONSIDERAVAM, NEM ERAM CONSIDERADOS, UMA RELIGIÃO À PARTE.

- Os conflitos narrados em Atos: questões internas (exemplos: Atos 3:1-16; Atos 4:1-2);

- Outros conflitos de segmentos judaicos são narrados pela história. Exemplo: Beit Hilel e Beit Shamai na chamada “Morte dos Profetas”

e) – COMO ERAM AS CONGREGAÇÕES?

– Formadas por judeus e não-judeus;

– Para ser aceito na congregação: leis de iniciação - Noéticas (Atos 15:20);

– Gradualmente, os não-judeus aprendiam a guardar a Torá (Atos 15:21, Hebreus 6:1-6);

– Reuniam-se para ler e estudar a Torá e as Boas Novas;

– Frequentavam também sinagogas tradicionais (Atos 13);

– Após a cisão com os p’rushim, passaram a se reunir em suas próprias sinagogas no Shabat;

– Frequentavam assiduamente o Beit HaMikdash (Templo), até sua destruição (Atos 2:46).

 

 

13 – PRINCIPAIS CRENÇAS COMPARTILHADAS  POR P'RUSHIM E SEGUIDORES DE YESHUA 

- No Messias;

- Na Tradição Judaica (vide 3.3);

- Na Ressurreição dos Mortos;

- Em anjos e espíritos malignos;

- Na existência de Satan;

- No Olam Habá;

- Em milagres;

- No Julgamento Final;

- Na formação de discípulos, judeus e não judeus;

- No Tanach;

- Na Unicidade de Elohah;  

- No Sh’ma como declaração principal de fé.

 – PRINCIPAIS CREMÇAS COMPARTILHADAS  POR ISSI'IM  SEGUIDORES DE YESHUA 
 - Tal qual os essênios, os seguidores criam:

- Na controvérsia entre os Filhos da Luz e os Filhos das Trevas;

- No aspecto místico da Torá (obs: não confundir com esoterismo!);

- Na guerra espiritual.

 – OUTRAS CRENÇAS IMPORTANTES:

- Ketuvim - a medida em que iam sendo escritos;

-Sefer Matitiyahu  - Livro de Mateus - original em hebraico;

- Necessidade de Batei Din;

- No sacrifício expiatório de Yeshua;

- Na ressurreição de Yeshua;

- No Derech HaShamayim (a salvação);

- Na autoridade espiritual concedida por Yeshua para que o Beit Din (casa do juiz) fizesse halachá (preceitos) (Mt. 16:19);

- No poder da Ruach HaKodesh (Espírito do Santo).

 

 

14 – LÍDERES ATRAVÉS DO TEMPO

- 30 a 62DC Rosh Beit Din: Ya’akov HaTsadik (Tiago o justo/irmão de Ye’shua);

-62 a 112DC Rosh Beit Din: Shimon Ben Cleophas (primo de Ye’shua);

- 112DC a 135DC Total de 13 líderes (todos judeus), até a revolta de Bar Kochba;

- Após 135DC, ocorre a dispersão dos Seguidores de Ye'shua.

 

15 – SEMENTES DA CISÃO NO SÉCULO II

a) – A CISÃO ENTRE OS DA "SEITA DO CAMINHO" E OS P’RUSHIM:

- Após a destruição do 2º Beit HaMikdash (2º Templo), reformulação do Judaísmo;

- Prevalece o grupo do Rebe Akiva; - Introduzida a Birkat HaMinim na Amidá; -

Textos dos discípulos de Yeshua são declarados “impuros”. Segundo Rebe Akiva, quem os lesse tinha seu nome riscado do Livro da Vida;

- Revolta de Bar Kochba: os da Seita do Caminho (Título dado á facção crente em Yeshua) se recusam a lutar sob um falso messias. São considerados “traidores” pelos p’rushim

b) – A CISÃO ENTRE OS JUDEUS  SEGUIDORES DE YESHUA  JÁ CONHECIDOS COMO  OS NETSARIM E OS CRISTÃOS - Perseguição acirrada aos nazarenos por Roma – dificuldade de liderar novas congregações;

- Grande crescimento da fé no Messias entre os não-judeus – infiltração de doutrinas pagãs e da filosofia grega;

- Medo de perseguições por parte dos não-judeus - Disputas políticas entre judeus e não-judeus: crescimento do anti-semitismo;

- Cartada final: Consolidação da Igreja Romana.

"EM MEMÓRIA DOS QUE FORAM E QUE AINDA SERÃO MARTIRIZADOS POR AMOR AS BESSEROT HASHAMAYIM - BOAS NOVAS DO REINO"  Rosh Moshé ben Shalom  -  ראש משה בן שלום 

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Square
  • google-plus-square