כַּשְרוּת

KEFÁ, ATOS 10 E A LEI DE CASHRUT

 

 

כַּשְרוּת - CASHRUT - LEI ALIMENTARES

Cashrut - (כַּשְרוּת) é o termo dado às leis alimentares das Escrituras no judaísmo. A comida apropriada à dieta alimentar, é chamada de kasher (kosher em Yidishe), do termo hebraico כשר (kashér), que significa: "próprio", apropriado, comestível. Para saber quais animais são considerados Kasher - puro - para uma alimentação, o texto mais indicado está em Vaikrá (Levítico) capítulo 11. Claro que existem outras passagens que detalham mais, todo o conceito de cashrut.  

A comida que não estiver de acordo com a lei judaica, é chamada de treif ou treyf (em iídiche טרייף, do hebraico טְרֵפָה, transl. trēfáh). Num sentido mais técnico, treif significa "proibido", "dilacerado" e refere-se a carne que veio de qualquer animal e que contenha algum defeito que o torne impróprio para o abatimento. Um animal que tenha morrido por qualquer meio que não o sacrifício ritual, é chamado de neveila, que significa literalmente "coisa suja".

Sinais simples foram passados na Torá - Pentateuco - para o povo hebreu, como por exemplo: 

-Dos animais que vivem na terra:

Lv 23:1-3

"Falou o Yahueh a Moshé e a Aaron, dizendo-lhes: Dizei aos filhos de Israel: Estes são os animais que podereis comer dentre todos os animais que há sobre a terra: dentre os animais, todo o que tem a unha fendida, de sorte que se divide em duas, o que rumina, esse podereis comer"

Nota: Duas características peculiares: ter o casco fendido e ruminar. Precisam-se das duas coisas juntas. 

Alguns exemplos dos proibitivos:  Versos 4 - 8

"...Os seguintes, contudo, não comereis, dentre os que ruminam e dentre os que têm a unha fendida: o camelo, porque rumina mas não tem a unha fendida, esse vos será imundo; o querogrilo, porque rumina mas não tem a unha fendida, esse vos será imundo; a lebre, porque rumina mas não tem a unha fendida, essa vos será imunda; e o porco, porque tem a unha fendida, de sorte que se divide em duas, mas não rumina, esse vos será imundo. Da sua carne não comereis, nem tocareis nos seus cadáveres; esses vos serão imundos"

-Dos animais que vivem no mar:  Verso 9

"Estes são os que podereis comer de todos os que há nas águas: todo o que tem barbatanas e escamas, nas águas, nos mares e nos rios, esse podereis comer"

Nota: Duas características peculiares: ter barbatanas e escamas. Precisam-se das duas coisas juntas. 

O Eterno devia passar características simples para um povo simples. Hoje, no entanto, vale ressaltar que sabemos que peixes de couro contém toxinas presas em sua carne, simplesmente por não ter escamas para onde sair.

Versos 10-12

"0 Mas todo o que não tem barbatanas, nem escamas, nos mares e nos rios, todo réptil das águas, e todos os animais que vivem nas águas, estes vos serão abomináveis, tê-los-eis em abominação; da sua carne não comereis, e abominareis os seus cadáveres.  Tudo o que não tem barbatanas nem escamas, nas águas, será para vós abominável"

Nota: De sorte que todo tipo de mariscos, crustáceos e moluscos são proibidos pela Torá.

-Das aves:  Versos:  13-19:  Em tese, todas as aves de rapinas são proibidas pela torá

-Dos insetos proibidos e permitidos: Versos: 20-23;4-44;47:

"Todos os insetos alados que andam sobre quatro pés, serão para vós uma abominação. Contudo, estes há que podereis comer de todos os insetos alados que andam sobre quatro pés: os que têm pernas sobre os seus pés, para saltar com elas sobre a terra; isto é, deles podereis comer os seguintes: o gafanhoto segundo a sua espécie, o solham segundo a sua espécie, o hargol segundo a sua espécie e o hagabe segundo a sua espécie. Mas todos os outros insetos alados que têm quatro pés, serão para vós uma abominação..... Também todo animal rasteiro que se move sobre a terra será abominação; não se comerá. Tudo o que anda sobre o ventre, tudo o que anda sobre quatro pés, e tudo o que tem muitos pés, enfim todos os animais rasteiros que se movem sobre a terra, desses não comereis, porquanto são abomináveis. Não vos tomareis abomináveis por nenhum animal rasteiro, nem neles vos contaminareis, para não vos tornardes imundos por eles. Porque eu sou o Senhor vosso Deus; portanto santificai-vos, e sede santos, porque eu sou santo; e não vos contaminareis com nenhum animal rasteiro que se move sobre a terra.......Esta é a lei sobre os animais e as aves, e sobre toda criatura vivente que se move nas águas e toda criatura que se arrasta sobre a terra; para fazer separação entre o imundo e o limpo, e entre os animais que se podem comer e os animais que não se podem comer"


 

ATOS 10 e os falsos argumentos - A Alavanca usada no cristianismo para anular a Torá. Analisemos dentro do contexto.


Em Atos percebemos a inserção dos goym - gentios à Kehilah - Congregação do Eterno. Todos de igual maneira, merecem a oportunidade de conhecer e viver à Palavra da Verdade, através do sacrifício de Yeshua - ישוע. 

A SEPARAÇÃO

No Beith haMikdásh (Templo de Jerusalém), havia um limite para os gentios, uma placa indicativa que dizia:


“Nenhum estrangeiro pode passar além da balaustrada e da parede que cercam o lugar santo. Quem quer que seja apanhado violando este regulamento será responsável pela sua morte, que se seguirá.”

A VISÃO DE KEFÁ
Kefá (vulgo Pedro), avistou um lençol repleto de animais puros e imundos, relatado em Atos 10, tem sido utilizada para provar a liberação divina para se comer as carnes que foram proibidas ao homem, deixando os que assim creem, de consciência tranquila. Será entretanto, que essa tranquilidade agora continuará ao descobrirmos exatamente o contrário?


A expressão divina: “Levanta-te, Pedro, mata e come” (Atos 10:13), isolada de seu contexto, tornou-se a mola mestra da engrenagem dos que se conformam com a superfície do versículo, mas apelo-te outra vez: Nunca se satisfaça com um texto isolado. Não é bom e nem correto. É preciso estudá-lo junto ao contexto e, necessariamente, comparando com outras escrituras. Descubramos portanto, como deve ser estudado este capítulo maravilhoso de Atos 10:

Verso 1
“E havia em Cesaréia um varão por nome Cornélio, centurião da côrte chamada italiana.”


Cesaréia era um “porto marítimo de Saron, construído por Herodes o grande, em 13 A.C. Residência dos procuradores romanos”. Por conseguinte, trata-se possivelmente, de um homem romano, o bom Cornélio; pois além de um cargo militar altamente importante, servia em uma base radicalmente romana. Em última análise, não esqueça, uma coisa é líquida e certa:, ele não era judeu, era um gentio. De fato, nenhum gentio era aceito por um judeu, justamente por causa das leis de cashrut; devido à causa do modo sem lei em que viviam os goym- gentios.


Verso 2
“Piedoso e temente a Elohá, com toda a sua casa, o qual fazia muitas esmolas ao povo, e de contínuo orava a Elohá.”


Isto não é comum e solenemente espetacular! Um goy  (gentio) que amava e servia ao Elohim dos judeus tendo seu amor à prova de críticas. Vestido com roupa de trabalho, pois diz à Palavra que ele auxiliava e socorria com seus bens os menos favorecidos, talvez dentre os tais, quem sabe... muitos judeus. Era desprendida e sincera à sua devoção. Partia de um coração anelante por conhecer mais e mais o Elohim de Israel. E o mais maravilhoso é que Hashem atentou” para aquele que aos olhos dos judeus não merecia sequer conhecê-Lo.

Da leitura dos versos 3 ao 8, concluímos que o ahavah (amor) do Eterno, envolveu Cornélio e o prestigiou com a comissão de um Melach (anjo/mensageiro) o qual trazia do céu a aprovação para o seu gesto caridoso e amante, orientando-o a ir em busca do talmid (apóstolo) Kefá (Pedro), dando-lhe para tanto, as indicações como: cidade, rua, casa e número,  etc.

Versos 9 e 10

“E no dia seguinte, indo eles em seu caminho, e estando já perto da cidade, subiu kefá ao terraço para orar, quase à hora sexta (1/2 dia). E tendo fome, quis comer; e enquanto lho preparavam, sobreveio-lhe um arrebatamento de sentido.”


Toda vez que Ele, o Eterno queria ensinar alguma coisa ao homem, utilizava-se de  algo que fosse peculiar ao mesmo, como por exemplo: Ao lavrador,  à terra. Ao boiadeiro, o gado. Ao Pastor, à ovelha, ao pescador, à rede, etc. Como Hashem desejava transmitir algo sublime e maravilhoso ao servo Kefá, que melhor ilustração utilizaria senão aquilo que estivesse mais intimamente ligado à sua condição no momento, isto é: comida? E Kefá estava com fome, muita fome naquele momento. O Soberano estava preparando Kefá para a grande mensagem. Assim, conforme dizem os versos 11 e 12, Elohim mostrou-lhe em visão, o famoso lençol zoológico, e declarou:

Verso 13

“... levanta-te kefah, mata e come.”


Tal ordem suscitou imediatamente do obediente apóstolo, a dramática sincera e inolvidável declaração:

Verso 14

“...De modo nenhum, Senhor. Porque nunca comi... coisa imunda.”

Kefá andara mais de 3 anos com o salvador e após sua morte e ressurreição,  continuara a não comer nada impuro seguindo estritamente à dieta da Torá. Isto, é uma prova irrefutável de que, além de nunca ter comido coisa do gênero adjunto do mestre e rabino Yeshua, continuara fiel à Torá a ponto de "teimar" com o Eterno por 3 vezes seguidamente, até o lençol se recolher ao Céu, conforme se lê nos versos 15 e 16. Lembrando que tratava-se de uma visão e, é impossível "comer uma visão", obviamente. No entanto, tudo era bem real para ele!


Os versos 17 e 18 relatam que Kefá estava desconcertado e atônito com a visão e tentando chegar à alguma conclusão razoável,  até que... 3 varões o buscavam.

Verso 19

“...Eis que três varões te buscam.”


• A visão apareceu a Kefá três vezes e também três varões apareceram-lhe, enviados por Cornélio com a indicação do anjo do YHWH -Senhor. 


.• No verso 22, os varões falaram a Kefá a despeito de Cornélio, da aprovação de Elohim para com ele e do anjo que os enviou à sua procura. Kefá então, imediatamente, recebeu-os em casa e no dia seguinte, tomando alguns irmãos de Jope, rumou para Cesaréia a fim de realizar um grandioso trabalho missionário, conforme à leitura do verso 23. Um dia depois, chegam a seus destino e maravilhados, contemplam um grupo de goym - gentios sedentos de conhecimento de Elohim de Israel, almejando a salvação, bem como trilhar os caminhos de obediência à Torá!


Então, Kefá de fato, começara a entender a complexa visão em uma profundidade maior.

Verso 28
“E disse-lhes: vós bem sabeis que não é lícito a um varão judeu ajuntar-se ou achegar-se a estrangeiros: mas Elohá mostrou-me que A NENHUM HOMEM CHAME COMUM OU IMUNDO.”


Nota: A visão tratava-se claramente de homens e não de animais! Yeshua ישוע não morreu para purificar porcos, lagartixas ou ratos não é mesmo? Somente os homens podem arrepender-se e ser purificados!!! É só, ao invés de tentar explicar a visão, deixar o próprio protagonista explicá-la, como assim o fez:

 "...Elohim mostrou-me que A NENHUM HOMEM CHAME COMUM OU IMUNDO.”


Do verso 29 ao 33, Cornélio, o gentio a quem Elohim amava e queria que ouvisse das Besserot (Boas Novas do Reino) - a mensagem que vem dos judeus - relata a visão que tivera e como tomara a decisão de mandar buscar a Kefá, declarando:

Verso 33

“...Agora, pois, estamos todos diante de Elohim para ouvir tudo quanto por Elohá te é mandado.”

Kefá percebe que estes estavam sedentos por aprender e praticar a Torá, que é a Instrução e vontade do Pai.

Versos 34 e 35

“...Reconheço por verdade que Elohá não faz acepção de pessoas; mas que Lhe é agradável aquele que, em qualquer nação, O teme e obra o que é justo.”


O episódio não termina aqui. Quando a Kehilat Yerushalayim  - Congregação de Jerusalém -  soube do ocorrido, levantou-se contra Kefá com a prerrogativa de haver-se misturado com gente imunda, os gentios. Intima-o a retratar-se. O Seguidor de Yeshua, então cheio do Espírito do Separado, apresenta-se diante da Kehilat Principal e relata como Hashem o mostrara, através de uma visão de um lençol repleto de toda sorte de animais, que todas as pessoas de toda tribo, raça e língua, desde que O tema e guarde os Seus Mandamentos, são dignas do amor divino, da Chessed - misericórdia e da salvação, pelo sacrifício eterno de Yeshua haMashiach. Elohim não somente revelou Seu amor pelos gentios, como os abençoou com o derramamento do seu Ruach - Espírito - unção. (Leia Atos 11:1-17).


Contra este argumento não houve reação, e portanto a posição da principal Kehilat não poderia ser diferente. Leiamos:


Atos 11:18
“E ouvindo estas coisas, apaziguaram-se, e exaltaram a Elohim, dizendo: Na verdade até aos goym - gentios deu Elohá o arrependimento para a Chaiym - vida.”


Como vê, é simples, puro e cristalino. Não há aqui interpretação humana. Não há necessidade de torcer nada e muito menos adaptar-se a qualquer tipo de conveniência. É uma verdade clara que brota como a luz da aurora no coração sincero. A Kehilat de Yerushalaim não mudou a Palavra, mudou sim, sua posição em relação aos gentios pelo testemunho de Kefah, que por sua vez, mudou a sua opinião através do ensino de Adonay, por meio de uma visão do lençol de animais que mais tarde, com o desenrolar da situação, caiu-lhe todo entendimento sentenciando que a visão tratava-se de homens!

Hoje, lamentavelmente ocorre o contrário. Muitos preferem mudar às Escrituras, ou tentam adaptá-la à sua particular opinião.


Pois bem, fica determinado pela Palavra de Hashem, sem nenhuma dúvida, que Adonay utilizou-se de um lençol de animais puros e imundos, associado à fome de Kefá para ensinar-lhe: “nenhum homem é comum ou imundo” e “que Hashem não faz acepção de pessoas”.  A diferença entre a fome de Kefá e a fome dos gentios era: Naquele momento, Kefá estava sentindo fome física e os gentios, fome espiritual! 

 


 

CURIOSIDADE 


Atos 11: 12 – Disse Kefá:


“...e também estes SEIS irmãos foram comigo, e entramos em casa daquele varão (Cornélio).”


- Na lei egípcia a qual os "hebreus" conheciam bem, eram precisas SETE testemunhas para provar completamente um caso judicial ou qualquer outro.
- Na lei romana igualmente, adicionado a SETE selos para autenticar um documento que fosse realmente importante como um testemunho. 

- Portanto, havia SETE testemunhas deste fato. Kefá e mais seis.

OUTRA CURIOSIDADE 

É de comum conhecimento, que o livro de Guilyana  (Apocalipse no grego), foi escrito derradeiramente, isto é, bem após o livro de Atos, do qual encontramos esta ilustração. Pois bem, como ainda entender que o Eterno tenha purificado animais se, no último livro da Brit Chadashá (Nova Aliança), Hashem continua a citar animais impuros?  Veja:

"E da boca do dragão, e da boca da besta, e da boca do falso profeta, vi saírem

três espíritos imundos, semelhantes a rãs" 

Aqui em Guilyana  (Ap). 16:13, os três espíritos são comparados alegoricamente, 

o serem imundos como rãs, segundo a  lei de cashrut  כַּשְרוּת, rãs é considerado

Treyf טרייף, impróprio. Segue a mesma intenção para Guilyana - Ap. 18:2:

"E clamou fortemente com grande voz, dizendo: Caiu, caiu a grande Babilônia, e se tornou morada de demônios, e coito de todo espírito imundo, e coito de toda ave imunda e abominável"

Quando uma ave é abominável para nós? Será que a Águia foi criada para ser odiada? Ou em que contexto as aves de rapinas, assim como quaisquer outros tipos animais, são abomináveis, como supracitados em Apocalipse?

"Ser-vos-ão, pois, por abominação; da sua carne não comereis, e abominareis o seu cadáver. Todo o que não tem barbatanas ou escamas, nas águas, será para vós abominação. Das aves, estas abominareis; não se comerão, serão abominação: a águia, e o quebrantosso, e o xofrango, E o milhano, e o abutre segundo a sua espécie.  Vaikrá - Levítico 11:11-14

"Porque com fogo e com a sua espada entrará o Yahueh em juízo com toda a carne; e os que forem mortos pelo Yahuhe serão muitos. Os que se santificam, e se purificam para entrar nos jardins após uma deusa que está no meio, OS QUE COMEM CARNE DE PORCO, e DA ABOMINAÇÃO, e do RATO, esses todos serão consumidos, diz o Yahuh Pois eu conheço as suas obras e os seus pensamentos; vem o dia em que ajuntarei todas as nações e línguas; e elas virão, e verão a minha Kevod - Grandeza"   Yeshaiahu - Isaías 66: 16-18

ראש משה בן שלום - Rosh Moshé ben Shalom

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Square
  • google-plus-square