FALSOS PILARES DA IMORTALIDADE

 

Você crê em vida pós-morte ou na ressurreição?

 

Crédito: Moshé ben Shalom

 

O Eterno prometeu imortalidade ao homem se na verdade houvesse obediência, mas por seu livre arbítrio este escolheu o caminho para a morte. Elohim disse: "certamente morrerás", (Bereshit 2.16,17), enquanto que o inimigo dizia o oposto: "certamente não morrerás." (Bereshit 3.4).

A doutrina da teologia da imortalidade da alma, como a recebemos, vem do filósofo grego Platão, nascido em Atenas por 457aC e morreu em 347aC. Viveu na era ouro da cultura grega e foi um discípulo de Sócrates. Um estudante dos ensinos de Platão, chamado Aristóteles foi o instrutor de Alexandre o Grande.  Sabemos que remonta à tempos ainda mais longínquos, como nos dias dos faraós. Mas atenhamos-nos do helenismo para cá, donte herdamos esta concepção.   
Platão menciona a imortalidade da alma em escritos como: Phaedrus, Apologia, Phaedo, A República, Leis e a Sétima Carta. Em Phaedo relata um diálogo entre Sócrates e seus amigos. 
Mais tarde, os pensadores gregos também começaram a adaptar a crença da imortalidade da alma. O livro “Vida Presbitereana” diz o seguinte:

 

“A mortalidade da alma é uma ideia grega concebida nos antigos cultos de mistério e elaborada pelo filósofo Platão.”

 

Isso está em harmonia com o que o próprio Platão escreveu:

 

“Cremos que há tal coisa como a morte? . . . Não é ela a separação entre a alma e o corpo? E estar morto é o término disso; quando a alma existe dentro de si mesma, e é libertada do corpo e o corpo é libertado da alma, o que é isso senão a morte? . . . E admite a alma a morte? Não. Então é a alma imortal? Sim.”

Posteriormente, ao passo que Alexandre, o Grande prosseguia conquistando grande parte do mundo até então conhecido, o pensamento grego foi se espalhando. Este tipo de conceito acabou até mesmo por influenciar o pensamento judaico.

A Nova Enciclopédia Católica mostra como os cristãos acabaram por adaptar o conceito de alma imortal:

 

“O conceito cristão de uma alma espiritual criada por 'Deus' e implantada no corpo por ocasião da concepção, para fazer do homem um todo vivente, é fruto de um longo desenvolvimento de filosofia cristã. Foi só com Orígenes [falecido em c. 254 EC], no Oriente, e S. Agostinho [falecido em 430 EC], no Ocidente, que se estabeleceu ser a alma uma substância espiritual e se formou um conceito filosófico de sua natureza… Sua doutrina [de Agostinho]… devia muito (incluindo algumas falhas) ao neoplatonismo.”

Inácio de Antioquia (68 – 107 d.C) escreveu a Policarpo (69 d.C – 155 d.C), dizendo:

 

”Uma vez que a Igreja de Antioquia da Síria está em paz, como fui informado, graças à vossa oração, fiquei mais confiante na serenidade de Deus, se com o sofrimento eu o alcançar, para ser encontrado na ressurreição como vosso discípulo” (Carta de Inácio a Policarpo, 7:1)

Polícrates de Éfeso (130 – 196 d.C), que foi um líder primitivo e que ficou conhecido por sua carta a Vítor, o bispo de Roma, conservada por Eusébio de Cesareia, também declara que a esperança dos crentes no retorno à existência não se dá através de uma alma imortal que se desprende do corpo no momento da morte física, mas sim pela ressurreição dentre os mortos. Ele, então, cita nominalmente pelo menos seis grandes nomes do crentes de sua época e com nenhum deles há a menção de já estar habitando no Céu, mas há sempre a referência a estar “dormindo”, “descansando” ou “esperando a ressurreição”. Vejamos o que ele afirma:

 

“Nós observamos o dia exato, sem tirar nem por. Pois na Ásia grandes luminares também caíram no sono [morreram], do qual devem despertar novamente no dia da volta do Senhor, quando ele virá em toda sua majestade do céu e irá procurar por todos os santos. Dentre eles estão Filipe, um dos doze seguidores e que dormiu em Hierápolis, suas duas filhas virgens e idosas, e outra filha, que viveu no Espírito do Santo e que agora descansa em Éfeso. E, adicionalmente, Yochansm (João), que foi tanto uma testemunha quanto um professor, que se deitou no peito do Senhor e, vestiu a placa sacerdotal. Ele também caiu no sono em Éfeso. E Policarpo, que foi bispo e mártir; e Tráseas, bispo e mártir de Eumênia, que dormiu em Esmirna. Por precisaria eu mencionar o mártir Sagaris, que se deitou em Laodiceia, ou o abençoado Papirius ou Melito, que viviam juntos no Espírito do Santo, que repousa em Sardes, esperando o episcopado do céu, quando ele se levantará dos mortos? Todos estes observavam o décimo-quarto dia da Páscoa judaica ( Pêssach) de acordo com as boas novas, não desviando em nenhum aspecto, mas segundo a regra de fé” (Conservado por Eusébio de Cesareia em História Eclesiástica, Livro V, Cap. 24)

O Evangelista Erwachsenen katechismus (Catecismo Evangélico Para Adultos), da Igreja Luterana, admite abertamente que "a fonte de ensino de que a alma humana é imortal não é a Bíblia, e sim o filósofo grego Platão (427347 AC), que sustentava enfaticamente que havia uma diferença entre o corpo e a alma”.

Prossegue dizendo: 
“Os teólogos evangélicos dos tempos modernos questionam esta combinação de conceitos grego e bíblico... rejeitam a separação do homem em corpo e alma”. E mais adiante: “Visto que o homem, como um todo, é pecador, portanto, na morte, ele falece completamente, com corpo e alma (morte total). Entre a morte e a ressurreição há uma lacuna; no melhor dos casos, a pessoa continua sua existência na memória de Deus”.


ELOHIM É IMORTAL, MAS NÃO O HOMEM... 
Que homem há, que viva e não veja a morte? Ou que livre a sua alma do poder do mundo invisível?

(Salmos 89: 48)

E, como aos homens está ordenado morrerem uma vez, vindo, depois disso, o juízo (Hebreus 9: 27)


E, se o Espírito daquele que dos mortos ressuscitou a Yeshua habita em vós, aquele que dos mortos ressuscitou ao Messias também vivificará o vosso corpo mortal...(Romanos 8: 11)

O qual recompensará cada um segundo as suas obras, a saber: a vida eterna aos que, com perseverança em fazer bem, procuram excelência, e honra, e incorrupção (Romanos 2: 6,7)

Se a recompensa do que persevera em fazer o bem é a vida eterna, conclui-se com facilidade que o homem não imortal.

Num momento, num abrir e fechar de olhos, ante a última trombeta; porque a trombeta soará, e os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados. Porque convém que isto que é corruptível se revista da incorruptibilidade e que isto que é mortal se revista da imortalidade. (I Coríntios 15: 52,53)

- Observe quem ressuscita. Não são os mortos? 
- Não ressuscitam para que o que é corruptível se faça incorruptível? 
- Ou se revista da imortalidade?
- Não está aí a razão da ressurreição?
- O que dizer se afirmar que o homem é imortal?
- Qual seria a razão da ressurreição?
- Não acaba por anular promessas de Elohim e ainda negar a ressurreição de Yeshua?

Porque, assim como a morte veio por um homem, também a ressurreição dos mortos veio por um homem. Porque, assim como todos morrem em Adão, assim também todos serão vivificados no Messias.

O mesmo livro de Coríntios nos traz esta citação, mas:

 Como dizer que a morte veio por Adão se o homem fosse imortal?
 Como dizer que todos serão vivificados na vinda de Cristo se o homem fosse imortal? 
 Como entender Hebreus que diz que está ordenado aos homens morrerem? (Heb. 9:27,28)

A BREVIDADE DA VIDA DO HOMEM 
Faze-me conhecer, ADONAI, o meu fim, e a medida dos meus dias qual é, para que eu sinta quanto sou frágil. Eis que fizeste os meus dias como a palmos; o tempo da minha vida é como nada diante de ti; na verdade, todo homem, por mais firme que esteja, é totalmente vaidade. (Selá) Na verdade, todo homem anda como uma sombra; na verdade, em vão se inquietam; amontoam riquezas e não sabem quem as levará. (Salmos 39: 4 ) ADONAI, que é o homem, para que o conheças, e o filho do homem, para que o estimes? O homem é semelhante à vaidade; os seus dias são como a sombra que passa. (Salmos 144: 3, 4).

Porque toda carne é como erva, e toda o esplendor do homem, como a flor da erva. Secou-se a erva, e caiu a sua flor (I Pedro 1: 24)

A promessa da imortalidade ao homem está dependente do encontro das condições do Eterno para a salvação. Somente os que têm um relacionamento apropriado com o Filho de Elohim poderão receber a vida eterna. O Mashiach ressurgiu da morte para a vida e seremos vivificados nEle, na Sua vinda. O Senhor Yeshua tem da parte de Elohim, a liberdade para dar a vida eterna aos que seguem a verdade e perseveram nos caminhos de retidão. E o testemunho é este: que Elohim nos deu a vida eterna; e esta vida está em seu Filho. Quem tem o Filho tem a vida; quem não tem o Filho de Elohim não tem a vida. (I João 5: 11, 12)


O QUE ACONTECE NA MORTE? 
Na morte, ocorre o oposto do que aconteceu quando Elohim deu vida a Adão, o primeiro homem. Na criação o fôlego de vida foi unido ao corpo formado do pó e a vida resultou. Na morte o fôlego de vida deixa o homem e resulta a morte.

Escondes o teu rosto, e ficam perturbados; se lhes tiras a respiração, morrem e voltam ao próprio pó.(Salmos 104: 29)

Portanto pó mais fôlego, resulta em pessoa vivente. Este foi o processo da criação. E pó menos fôlego, resulta em pessoa morta. Este é o processo da morte.

Não confieis em príncipes nem em filhos de homens, em quem não há salvação. Sai-lhes o espírito, e eles tornam para sua terra; naquele mesmo dia, perecem os seus pensamentos. (Salmos 146: 4)

E o pó volte a terra, como o era, e o espírito volte a Elohim, que o deu. (Eclesiastes 12: 7)

Elohim tornou a Adão a vida no momento em que lhe deu o fôlego soprando em suas narinas, fazendo-o assim alma vivente:


E formou ADONAI Elohim o homem do pó da terra e soprou em seus narizes o fôlego da vida; e o homem foi feito alma vivente.(Gênesis 2: 7)

É por isso que Eclesiastes diz que quando o espírito (fôlego de vida, ar) volta para Elohim, a criatura volta ao pó, e sem este fôlego o homem está morto:

Porque, assim como o corpo sem o espírito está morto, assim também a fé sem obras é morta. (Tiago 2: 26)

Nos verso acima notamos que o espírito é o fôlego de vida que retorna para Elohim; é impessoal, e o que representa a força vital que permite ao homem estar vivo.

NATUREZA DO HOMEM NA MORTE 
Na morte o homem está sem consciência. Ele não tem vida. Seu cérebro e sistema nervoso cessaram o funcionamento. Sem cérebro o homem não pensa, sem o sistema nervoso, o homem não sente dor ou prazer. O intelecto e sensibilidade só existem quando o homem está em vida. Na sepultura o homem está inconsciente, o homem está morto.

Porque na morte não há lembrança de ti; no sepulcro quem te louvará? (Salmos 6: 5)

Os mortos não louvam a ADONAI, nem os que descem ao silêncio. (Salmos 115: 17)

Sai-lhes o espírito, e eles tornam para sua terra; naquele mesmo dia, perecem os seus pensamentos. (Salmos 146: 4)

Porque os vivos sabem que hão de morrer, mas os mortos não sabem coisa nenhuma, nem tampouco eles têm jamais recompensa, mas a sua memória ficou entregue ao esquecimento. Até o seu amor, o seu ódio e a sua inveja já pereceram e já não têm parte alguma neste século, em coisa alguma do que se faz debaixo do sol. (Eclesiastes 9: 5, 6)

Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças, porque na sepultura, para onde tu vais, não há obra, nem indústria, nem ciência, nem sabedoria alguma. (Eclesiastes 9: 10)

MORTE COMPARADA AO SONO INCONSCIENTE 
A morte é como um sono inconsciente. Não há consciência com relação ao tempo. Para o que morreu há anos, assim como para o que morreu no segundo anterior o tempo não mostrará sua extensão. A consciência só existirá quando nos colocarmos diante do Messias.

Se fiel ao Messias, o homem estará perante Ele na primeira ressurreição, e se infiel, o homem estará diante do Messias na ressurreição final. O servo de Elohim não deve temer a morte, mas sim esperar na ressurreição no dia do Senhor quando trará o galardão.

E Davi dormiu com seus pais e foi sepultado na Cidade de Davi. (I Reis 2: 10)

E, pondo-se de joelhos, clamou com grande voz: Senhor, não lhes imputes este pecado. E, tendo dito isto, adormeceu. (Atos 7: 60)

Depois, foi visto, uma vez, por mais de quinhentos irmãos, dos quais vive ainda a maior parte, mas alguns já dormem também. (I Coríntios 15: 6)

E dizendo: Onde está a promessa da sua vinda? Porque desde que os pais dormiram todas as coisas permanecem como desde o princípio da criação. (II Pedro 3: 4)

A palavra cemitério é derivado do grego que equivale no latim ao termo dormitório. A morte é como um sono inconsciente.


MORTOS FICAM NOS SEPULCROS ATÉ A RESSURREIÇÃO 


Uma vez sem o fôlego de vida, o homem retorna ao pó e aí permanecerá até que se ponha diante do Messias, na primeira ou na última ressurreição. Já temos estudado anteriormente que ninguém subiu ao céu, senão o nosso Senhor Yeshua. (João 3: 13) e a palavra menciona os fiéis de Elohim, que aguardam pela ressurreição para a vida eterna, Segunda nos mostra a fiel palavra de Elohim. 


E eis que cedo venho, e o meu galardão está comigo para dar a cada um segundo a sua obra. (Apocalipse 22: 12)

Bem aventurado e santo aquele que tem parte na primeira ressurreição; sobre estes não tem poder a segunda morte, mas serão sacerdotes de Elohim e do Messias e reinarão com ele mil anos. (Apocalipse 20: 6)

Pela primeira morte todos havemos de passar, pois em Adão todos morrem:


Portanto, assim como por um só homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado, a morte, assim também a morte passou a todos os homens, porque todos pecaram. (Rom. 5:12)

Porque, assim como, em Adão, todos morrem, assim também todos serão vivificados no Messias. Cada um, porém, por sua própria ordem: o Messias, as primícias; depois, os que são do Messias, na sua vinda. (I Cor. 15:22,23)

O FÔLEGO DE VIDA 


O homem formado do pó da terra era inanimado até que recebeu a vida de Elohim.

E formou ADONAI Elohim o homem do pó da terra e soprou em seus narizes o fôlego da vida; e o homem foi feito alma vivente. (Gênesis 2: 7)

O fôlego de vida é a força vital que mantém o corpo do homem em funcionamento. As atividades exercidas pelo cérebro e sistema nervoso do homem estão ativos desde que nele esteja o fôlego que o mantém em vida. O fôlego de vida faz referência ao oxigênio que o homem inala, e este é indispensável para a vida animal e humana. Sem oxigênio o homem não pode viver. O oxigênio entra na corrente sanguínea do homem através dos seus pulmões, e o sangue percorre o corpo sendo bombeado pelo coração, o que permite que o oxigênio chegue a todas as células do organismo, sendo assim fica fácil entender que o sangue transporta o indispensável para manter em vida e atividade o as funções vitais do nosso ser.

Porque a alma da carne está no sangue, pelo que vo-lo tenho dado sobre o altar, para fazer expiação pela vossa alma, porquanto é o sangue que fará expiação pela alma. (Levítico 17: 11)

Fica mais simples entender que não havendo circulação do sangue as células não alimentadas acabam por morrer, o que significa a morte da carne pela falta de oxigênio. 
Quando o homem morre seu coração cessa de bater e seu sangue já não mais circula, os pulmões cessam o funcionamento e não entra mais o fôlego (oxigênio) em seu corpo. O fôlego de vida deixou o seu corpo, e seu cérebro e sistema nervoso já não agem. Ele está inconsciente, ele está morto.

A Bíblia por algumas vezes refere-se ao fôlego de vida como sendo seu espírito. O espírito do homem é seu fôlego de vida. A palavra espírito vem do hebraico ruach e neshamah e do grego pneuma.

Pneuma é no grego oque ruach é no hebraico. 


A palavra espírito significa ar, sopro, vento, animação e manifestação de um poder.

A palavra inglesa “ pneu”, bem como pneumonia e pneumático derivam da palavra em grego pneuma.

A Concordância Analítica revela que a palavra em hebraico ruach é traduzida como fôlego (sopro) 28 vezes, vento em 90 vezes, espírito em 232 vezes, e outras vezes como ar, sopro, ventoso, etc.

Em suma o espírito pode trazer estes significados:

 primeiramente o ar que respiramos
 um ser espiritual, como um anjo, por ex. 
 a influência de um ser
 um estado de sentimento

Assim como o homem, o animal recebe o fôlego de vida pela força de Elohim, ou seja seu poder. 


O Espírito de Elohim me fez; e a inspiração do Todo-Poderoso me deu vida. (Jó 33: 4)

Enquanto em mim houver alento, e o sopro de Elohim no meu nariz, não falarão os meus lábios iniqüidade, nem a minha língua pronunciará engano. (Jó 27: 3)

E expirou toda carne que se movia sobre a terra, tanto de ave como de gado, e de feras, e de todo o réptil que se roja sobre a terra, e de todo homem. Tudo o que tinha fôlego de espírito de vida em seus narizes, tudo o que havia no seco, morreu. (Gênesis 7: 21, 22)

Porque o que sucede aos filhos dos homens, isso mesmo também sucede aos animais; a mesma coisa lhes sucede: como morre um, assim morre o outro, todos têm o mesmo fôlego; e a vantagem dos homens sobre os animais não é nenhuma, porque todos são vaidade. (Eclesiastes 3: 19)

O espírito do homem é o mesmo do animal, assim como são pó e voltam ao pó, o fôlego que os mantém em vida retorna para Elohim no momento da morte.

Porque o que sucede aos filhos dos homens sucede aos animais; o mesmo lhes sucede: como morre um, assim morre o outro, todos têm o mesmo fôlego de vida, e nenhuma vantagem tem o homem sobre os animais; porque tudo é vaidade. Todos vão para o mesmo lugar; todos procedem do pó e ao pó tornarão. Quem sabe se o fôlego de vida dos filhos dos homens se dirige para cima e o dos animais para baixo, para a terra? (Eclesiastes 3: 19- 21)

O espírito do homem não é uma entidade fora corpo ou um ser que esta à parte. Este espírito nada mais é que o fôlego de vida que mantém o sistema nervoso e cérebro humano em atividade, mas este ar não apresenta própria consciência ou habilidades quaisquer. Quando o fôlego de vida deixa o homem, ele está morto e seus pensamentos perecem. O pó volta ao pó.

 


E A ALMA? 


A palavra alma apresentada neste verso significa criatura ou ser. 
A existência de uma criatura ou ser vivente está dependente da união do pó que forma o corpo e o fôlego de vida. 


Poderíamos assim formar uma equação: 


Na vida: pó da terra + fôlego de vida = alma vivente 
Na morte: Alma vivente – fôlego de vida = pó da terra. Quando o fôlego de vida deixa o ser vivente homem, este morre ou vira pó. 


Significado da palavra alma:

- Significa primeiramente vida, ou criatura que possui vida. Esta palavra vem do hebraico nephesh e do grego psuche. Do hebraico esta palavra ocorre 752 vezes no Primeiro Testamento e é traduzido de 44 formas diferentes. A palavra em inglês usada para traduzir nephesh revela seu significado como criatura, pessoa, homem, vida e vidas. O termo psuche ocorre 105 vezes nos escritos da Brit Chadasha (NT) e é traduzido como alma, vida, vidas, mente, coração, etc.

Ambos os termos no hebraico e grego trazem entre si o mesmo significado. Este fato você pode comprovar comparando por exemplo Atos 2: 27 com Salmos 16: 10.

ANIMAIS TAMBÉM SÃO ALMAS? 


Sim. As palavras do hebraico e grego traduzidas como alma são da mesma forma aplicadas aos animais.

E com toda alma vivente, que convosco está, de aves, de reses, e de todo animal da terra convosco; desde todos que saíram da arca, até todo animal da terra. (Gênesis 9: 10)

Disse também Elohim: Povoem-se as águas de enxames de seres viventes; e voem as aves sobre a terra, sob o firmamento dos céus. (Gênesis 1: 20)

E disse Elohim: Produzam as águas abundantemente répteis de alma vivente; e voem as aves sobre a face da expansão dos céus. (Gênesis 1:20)

Temos aqui o mesmo texto que aparece em versões diferentes e nos dá a clara noção de que assim como o homem, os animais são almas, ou seres viventes. 
Naturalmente que o homem é diferente do animal. O homem é superior, no entanto, não é neste termo alma que poderíamos encontrar a diferença, pois ambos são almas, ou seja, seres viventes. 


Então, para ADONAI tomarás o tributo dos homens de guerra que saíram a esta guerra; de cada quinhentos, uma alma, tanto dos homens como dos bois, dos jumentos e das ovelhas. (Números 31: 28)

Toda criatura vivente que vive em enxames viverá por onde quer que passe este rio, e haverá muitíssimo peixe, e, aonde chegarem estas águas, tornarão saudáveis as do mar, e tudo viverá por onde quer que passe este rio. (Ezequiel 47: 9)

Então, os que lhe aceitaram a palavra foram batizados, havendo um acréscimo naquele dia de quase três mil pessoas. (Atos 2: 41)

Novamente aqui temos o termo alma sendo traduzido como pessoas. Com isso esperamos ter esclarecido a questão sobre alma.

O HOMEM COMO ALMA É MORTAL!! 


O homem é uma alma e é mortal. Alma é mortal.

Deu livre curso à sua ira; não poupou da morte a alma deles, mas entregou-lhes a vida à pestilência. (Salmos 78: 50)

Eis que todas as almas são minhas; como a alma do pai, também a alma do filho é minha; a alma que pecar, essa morrerá.  

 

A alma que pecar, essa morrerá; o filho não levará a iniqüidade do pai, nem o pai, a iniqüidade do filho; a justiça do justo ficará sobre ele, e a perversidade do perverso cairá sobre este. (Ezequiel 18: 4, 20)

Os seus príncipes no meio dela são como lobos que arrebatam a presa para derramarem o sangue, para destruírem as almas e ganharem lucro desonesto. (Ezequiel 22: 27)

Derramou o segundo a sua taça no mar, e este se tornou em sangue como de morto, e morreu todo ser vivente que havia no mar. (Apocalipse 16: 3)

Por mais este exemplo verificamos que os seres viventes, ou seja, as almas que viviam no mar foram mortas, e da mesma forma que o homem também os animais são seres mortais

Todavia, a ADONAI agradou moê-lo, o enfermar; quando der ele a sua alma como oferta pelo pecado, verá a sua posteridade e prolongará os seus dias; e a vontade de ADONAI prosperará nas suas mãos
. (Isaías 53: 10)

Aqui temos alma como conotação de vida, se a alma fosse imortal, e segundo este texto Yeshua ofereceria sua “alma” (vida, ou seja Ele próprio) como poderíamos dizer que o mesmo se fez imortal conforme defende a Escritura???? Isto é mais uma prova de que o homem, e incluso estava nosso Mestre, é mortal e só a ressurreição nos leva à incorruptibilidade.

O QUE O INFERNO 


A palavra inferno, que aparece nas versões da Bíblia, infelizmente, não é um termo adequado e acaba por misturar as coisas: ora inferno significa sepultura, ora quer dizer fogo eterno.  Vamos nos ater, neste estudo, aos termos Seol e Hades, que aparecem nos originais hebraico e grego, das Sagradas Escrituras e dos Escritos da Brit Chadasha, respectivamente, para podermos chegar a uma compreensão melhor.  Tendo conhecimento disto, poderemos, ao ler certos textos, entender e dar uma definição exata do seu significado.

1. Qual é o estado e para onde vai o homem após a morte?

a) Fica dormindo, inconsciente: "Porque os vivos sabem que hão de morrer, mas os mortos não sabem coisa nenhuma, nem tampouco eles têm jamais recompensa, mas a sua memória ficou entregue ao esquecimento...Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças, porque na sepultura, para onde tu vais, não há obra, nem indústria, nem ciência, nem sabedoria alguma." (Ec 9:5, 10)

b) Para a sepultura, Hades ou Seol: "Sai-lhes o espírito, e eles tornam para sua terra; naquele mesmo dia, perecem os seus pensamentos." (Sl 146:4).

"Não vos maravilheis disso, porque vem a hora em que todos os que estão nos sepulcros ouvirão a sua voz." (Jo 5:28)

2. Por que a palavra "inferno" causa tanta confusão?

"Muita confusão e compreensão errônea foram causadas pelo fato de os primitivos tradutores da Bíblia terem traduzido persistentemente o termo hebraico Seol e os termos gregos Hades e Geena pela palavra inferno..." (The Encyclopedia Americana – A Enciclopédia Americana,1942 - Vol. XIV, pg. 81).

3. Como fica a palavra "inferno" nos Ketuvim Netsarim (NT) e quais seus reais significados? 


Nas passagens abaixo, a palavra aparece doze vezes e foi transliterada como "Geena": Mt 5:22, 29, 30; 10:28; 18:9; 23:15, 33; Mc 9:43, 45, 47; Lc 12:5 e Tg 3:6.

Geena: deriva do hebraico gê (ben) (benê) hinnõm, o vale dos filhos de Hinnom, próximo de Jerusalém (Js 15:8; 18:16) onde crianças eram sacrificadas pelo fogo, atendendo a rituais pagãos (2Rs 23:10; 2Cr 28:3; 33:6; Jr 7:31; 32:35). (New Bible Dictionary- Novo Dicionário Bíblico pg. 463)

O lugar era usado para a incineração do lixo de Jerusalém e onde também se lançavam os corpos de animais mortos.  Lá também eram lançados os criminosos, o que dá a idéia de um lugar de punição pelos pecados (Dt 32:22).

Hades: Já esta palavra grega significa sepultura e corresponde a Seol, do Tanach (AT) e aparece onze vezes nos Ketuvim Netsarim (NT): Mt 11:23; 16:18; Lc 10:15; 16:23; At 2:27, 31; 1Co 15:55; Ap 1:18; 6:8; 20:13, 14.

Tártaro: Do grego, aparece em 2Pe 2:4, que representa um abismo mito-lógico para a confinação dos deuses rebeldes. (Expository Dictionary of Bible Words- Dicionário Expositivo de Palavras da Bíblia, pg. 337).

Portanto, Geena está associada com fogo e castigo, mas Hades, refere-se a sepultura, ou o lugar dos mortos.

4. Que dizer do lago de fogo e do fogo eterno? Por que "eterno"?

Todos os que ressuscitarem na segunda ressurreição serão julgados perante o trono branco e serão lançados no lago de fogo, para o castigo da segunda morte. Lá estarão também o diabo e seus anjos. 
Neste lago de fogo, finalmente, serão destruídos a morte e o inferno, ou Hades/Seol: "E a morte e o inferno foram lançados no lago de fogo. Esta é a segunda morte." (Ap. 20:14) 


Fogo eterno: Na verdade, o fogo é eterno e inextinguível no sentido de que, enquanto nele houver o que tenha de ser queimado, este não se apaga. Prova disto é o fogo que destruiu Sodoma e Gomorra. Acabou com tudo, mas não mais existe: "Assim como Sodoma, e Gomorra, e as cidades circunvizinhas, que, havendo-se corrompido como aqueles e ido após outra carne, foram postas por exemplo, sofrendo a pena do fogo eterno." (Jd 7)

Aquelas cidades foram destruídas para sempre, para jamais serem reconstruídas, todavia, o fogo cessou há milhares de anos.  Bicho não morre: Isto que dizer o mesmo, ou seja, que enquanto existir substância a ser consumida, o bicho vai consumi-la totalmente (Mc 9:44, 46, 48; Is 66:24). Não quer dizer que o ímpio vai ficar vivo para sempre. Atormentado para sempre: O diabo será atormentado para sempre, no lago de fogo (Ap 20:10), significa que não mais escapará, ou seja, sofrerá a morte eterna.

5. E no Tanach (AT)? como fica a palavra inferno? De onde vem?

Inferno -  A palavra no AT, deriva-se de "seol" ou "sheol" termo hebraico que significa sepultura, lugar de habitação dos mortos, ou o mesmo que "hades", do NT. 


"Seol" aparece 65 vezes no AT, mas nem sempre traduzida como "inferno".

1. A passagem de Lc 16:19-31, (Rico e Lázaro) é citada para mostrar o lugar onde os mortos aguardam recompensa? É isto correto? 


Não. Na verdade se trata de uma parábola e não de um fato real.

Parábola: "Narração alegórica na qual o conjunto de elementos evoca, por comparação, outras realidades de ordem superior." (Dic. Aurélio).

"a) História-parábola, sem qualquer nexo histórico." (Bíblia de Jerusalém, pg. 1961, referindo-se ao texto acima).

Além disso Yeshua está ensinando desde o versículo 13 para não servirmos a Elohim e as riquezas. E no versículo 14 diz que os fariseus eram amantes do dinheiro.

1-O homem rico representa a nação judaica que se via favorecida com o templo, o sacerdócio e a promessa da vinda do Messias a partir dela (Bereshit/Gênesis 49.8-12; Romanos 3.1,2). Enquanto o mendigo as dez tribos dispersas: os samaritanos (Melachim Beit/ II Reis 17.24-34).

2-Lázaro é a tradução grega do hebraico Eleazar, que significa o Poderoso tem ajudado, o que indica que não fora ajudado pelo rico. O mendigo representa o mordomo de Avraham (Abraão), Eliezer que seria herdeiro de tudo se não tivesse nascido Isaque de onde veio o povo de Israel (Bereshit/Gênesis 15.2,3).

3-Vers.21, os cães que lambiam as chagas do mendigo simbolizam os gentios,que igualmente a Lazaro eram tidos como cachorros pelos judeus (Matityahu/Mateus 15.22-26).

4-Vers. 22, o mendigo morre e é levado pelos anjos ao “seio de Abraão”, que não é o céu , mas indica a ressurreição e o Reino Messiânico na Terra (Matityahu/Mateus 24.31;Lucas 13.29,30);

Além disso se o paraíso é para os fiéis e o inferno para os infiéis, não faria sentido Abraão estar lá, visto que ao morrer o texto bíblico relata a expressão “foi reunido a seus pais”, uma vez que estes eram idólatras, portanto ambos não poderiam estar no mesmo lugar (Bereshit/Gênesis 15.15; Yehoshua/Josué 24.2). Ademais o próprio Yeshua afirmou que ninguém subiu ao céu, o que os discípulos confirmaram (Yochanan/João 3.13; Atos 2.34).

O Rico morreu e foi sepultado, o que significa que todos vão para o mesmo lugar esperar a ressurreição (Tehilim/Salmos 49.12; Kohelet/Eclesiastes 3.20).

5- Vers. 23, o rico ergue os olhos e se encontra em tormento, palavra que em hebraico é tsarah=angústia, aperto, sufoco, aflição, etc. e em grego é basano, o que explica o versículo 24.

A mesma palavra é usada por Shaul (Paulo), onde ele explica sobre as obras provadas no fogo no Dia do Juízo.Portanto o tormento indica prova e juízo, que o rico experimenta no Dia da ressurreição, percebendo que não terá parte na Vida Eterna (Matityahu/Mateus 25.46; I Coríntios 3.12-15).

E esse tormento não é eterno, pois o aniquilamento de Babilônia é chamado assim, e a mesma figura do rico é aplicada a ela como símbolo de tudo o que se opõe ao Eterno (Guiliana/Apocalipse 18.9,10,16,17).

6-Vers. 26, fala de um grande abismo posto entre o rico e entre Lázaro e Abraão, o qual relembra o vale do rio Jordão, sobre o qual cruzavam os que iriam entrar na Terra Prometida. Na parábola, a morte simboliza a mudança de posição que os fariseus optaram em tomar, morrendo espiritualmente em relação ao Eterno (Atos 7.5157).

7- Vers. 27, o rico implora que Lázaro seja enviado a casa de seu pai, afim de falar aos seus cinco irmãos para que não tenham o mesmo fim que ele; O que representa Judá, o qual tinha cinco irmãos, filhos de Jacó com Léia, e simboliza a nação judaica que deixou o Eterno (Bereshit/Gênesis 35.23).

8- Vers. 29, Abraão diz que eles (a Nação Judaica), tem a Torá (Lei) e os profetas para ouvirem-nos, em face que o rico insiste acreditando que eles creriam de fato ,se algum dos mortos ressurreto lhes falasse, ao passo que Abraão termina no versículo 31 dizendo que se não ouvem a Moshé (Moisés) e os profetas, ou seja, as Escrituras, não se convencerão também pela ressurreição dos mortos (Yeshayahu/Isaías 8.19,20; Atos 26.6-8).

Tempo de Recompensa 
Um dos principais objetivos de nossa fé é a nossa ressurreição no fim dos tempos. 
Que vem a ser ressurreição? Michaelis define: "Ato de ressurgir ou reaparecer vivo depois de ter morrido; restituição do morto à vida." 

 

Se não há ressurreição, certamente estamos perdidos:"E, se Cristo não ressuscitou, é vã a vossa fé, e ainda permaneceis nos vossos pecados. E também os que dormiram no Messias estão perdidos." (1Co 15:17, 18)

1. Que diz as Escrituras sobre o estado do homem após a morte? 


Que todos, salvos ou não, estão inconscientes, dormem no pó da terra e só reviverão mediante a ressurreição:

"Porque os vivos sabem que hão de morrer, mas os mortos não sabem coisa nenhuma, nem tampouco eles têm jamais recompensa, mas a sua memória ficou entregue ao esquecimento..." (Ec. 9:5) "...porquanto és pó e em pó te tornarás." (Gn 3:19) "Pois ele conhece a nossa estrutura; lembra-se de que somos pó." (Sl 103:14)

"Todos vão para um lugar; todos são pó e todos ao pó tornarão." (Ec 3:20) "Não vos maravilheis disso, porque vem a hora em que todos os que estão nos sepulcros ouvirão a sua voz. E os que fizeram o bem sairão para a ressurreição da vida; e os que fizeram o mal, para a ressurreição da conde-nação" (João 5:28, 29)

2. A crença de que o homem recebe a recompensa logo após a morte, dá origem a que outras heresias?

A idolatria e o espiritismo. O entender que os santos quando morrem vão para o céu, deu margem para a veneração dos mortos, como é o caso do catolicismo romano, que por sua vez herdou tal heresia dos antigos pagãos. O surpreendente é que a influência desta doutrina pagã ganhou amplo espaço nas religiões oriundas da reforma protestante, assim como no espiritismo. "Quando vos disserem: Consultai os que têm espíritos familiares e os adivinhos, que chilreiam e murmuram entre dentes; —não recorrerá um povo ao seu Elohim? A favor dos vivos interrogar-se-ão os mortos?" (Is 8:19).

3. Quando, segundo as Escrituras, ocorrerá a recompensa dos mortos? 


Na galeria dos heróis da fé, onde aparecem grandes nomes, está claro que eles não receberam ainda as promessas, esperando por nós, ou seja, para as receberem conosco: "Todos estes morreram na fé, sem terem recebido as promessas, mas, vendo-as de longe, e crendo nelas, e abraçando-as, confessaram que eram estrangeiros e peregrinos na terra...E todos estes, tendo tido testemunho pela fé, não alcançaram a promessa, provendo Elohim alguma coisa melhor a nosso respeito, para que eles, sem nós, não fossem aperfeiçoados." (Hb 11:13, 39, 40)

"E eis que cedo venho, e o meu galardão está comigo para dar a cada um segundo a sua obra." (Ap 22:12)

"E serás bem-aventurado; porque eles não têm com que to recompensar; mas recompensado serás na ressurreição dos justos."

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Square
  • google-plus-square