Satan

Há um ano...

Sobre o vídeo do querido Moré Ventura, como muitos

têm me perguntado acerca do que assistiram, vai minha

curta e objetiva opinião:

Satan (acusador - aquele que se colocar contra)

Bom, é claro que exitem diferenças, exatamente sobre este ser entre as duas religiões, cristianismo e judaísmo. O cristianismo culpabiliza muito mais haSatan, quase que inocentando as pessoas. Já o judaísmo tende a responsabilizar mais os humanos pelos seus próprios devaneios. No entanto, uma nova ordem dentro do judaísmo normativo tende a praticamente excluir haSatan de sua culpabilidade e se possível, de sua existência. Os poucos dentro do judaísmo que ainda acreditam neste ser, estão começando a louvar os seus atos, entendendo que o mesmo seja um anjo do Eterno, obediente e com uma dura missão ("coitadinho"). Será influencia cabalistas? Não sei.

Claro que algumas passagens, apresentadas pelo achy Moré Ventura, devem ser analisadas do ponto de vista literal e é assim que se faz. No entanto, com muita atenção. Então vamos à Ez 28. Neste texto, vemos que a palavra fora direcionada literalmente ao rei de Tiro, no entanto, este fora comparado a um Qeruv, que claramente fora estabelecido no Gan Éden. Ou seja, o orgulho do rei foi comparado ao orgulho de Satan. Constatando e contrastando dois fatos que se cruzam no sentido de, assim como o orgulho levara a este Qeruv guardador, imponente e importante a cair, igualmente o rei de Tiro também sucumbiria. De outra forma, não poderia existir explicação para esta comparação ao rei de Tiro. Literalmente, seria um disparate, pois este rei, jamais, em nenhuma hipótese, foi estabelecido no Gan Eden (Jardim do Edem, o monte de Elohá). Muito menos, tem a classificação de uma ordem angelical, a dos qeruvim, reconhecidamente dentro do judaísmo, como uma das mais nobres estirpes angelicais.

Talmud


No tratado de Berachot 62A - Haroê - Percebe-se a presença notória da crença dos yehudim (Israelitas) antigos, nestes seres malignos. No talmud, relata-se a discussão dos sábios, que de acordo com o tratado, não poderia entrar em um "mictório" sem fazer algum tipo de barulho, afim de se espantar os demônios. Neste capítulo específico, trás numa beraitá, uma reza, onde se faz valer a crença contra bruxarias e feitiçarias feitas com excrementos. ACREDITAVA-SE que no momento da defecação, essas feitiçarias poderiam os atingir. Assim uma reza era feita segundo rav Ben Azai:

- "AFÍLU OSSÍM KESHAFIM BEASPÁMIA BAIN ALAV" - MESMO QUE OS FEITICEIROS DA (LONGÍNQUA ) ASPÂMIA VÊM SOBRE ELE (E LHE CAUSAM DANO)".

No rodapé nº 1274 diz:

- "Isto é, que as feitiçarias não me afetem (RASH)".

Ainda em Haroê, nono cap - 62-A, indica como a Guemará relata a proteção da esposa de rav Rava contra cobras e demônios, antes de ser nomeado o líder, ao frequentar banheiros, sendo que depois, com sua liderança alcançada, este perigo aumentou. Sabia-se desde então, que os cabeças do povo são os alvos de shedim - espiritos malignos. Continuando, até relata que quando o nesmo ia defecar, sua esposa ficava do lado externo do "mictorio", com um tipo de sino, afim de espantar o demônio de cara de bode (como descrito em Yeshayahu 13:21:

"Usseirím irakedú sham (E cabras-demônios ali dançarão").

 

Isto fora ratificado pelos comentários de Rash em Vaykrá 17:7 (vide Pri Megadim, Eshel Avraham 3:1, também Chidushei Hagrá. Acreditava-se que no momento da defecação, shedim vinham atormentar, pois neste momento, a pessoa estaria despido de santidade, isto segundo o talmud, pelo momento vulnerável de impureza. Citei o talmud devido no vídeo ter sido colocado pelo Moré, como se a opinião defendida por ele, fosse a opinião de todo Yehud. Fica evidenciado que visão do amado Moré não é unanimidade dentro do judaísmo e avilta contra a crença das literaturas rabínicas. Então culpar Roma, por mais que ela distorceu a figura de Satan, pela crença em si no ser, ou é deslealdade intelectual ou desconhecimento da própria história judaica na questão.

Lúcifer

É sabido que Lúcifer foi um nome latino colocado nas escrituras em contraposição do bispo Lúcifer, que fora escarnecido pelo tradutor ao ter seu nome próprio emprestado à entidade, por pura vingança do tradutor, por ser seu desafeto!

Entendendo Yeshayahu

"Eu crio o mal"


Sobre Hashem ser criador do bem e do mal, segundo Yeshayahu 45:7:

"Eu formo a luz (claridade), e crio as trevas (escuridão noite segundo bereshit); eu faço a paz, e crio o mal; eu, o Yahueh, faço todas estas cousas"

É evidente que dentro do contexto de Yeshayahu, Hashem não cria o mal absoluto e sim, circunstancial e isso não foi explicado no vídeo do Ventura, pelo menos à meu ver. Quando Yeshaiahu diz a nação de Israel, que Hashem cria a paz e cria o mal, é evidente que é circunstancial, não absoluto, pois está relacionado ao cumprimento das mitzvot (mandamento) ...assim como Hashem unge a Ciro para libertar e da mesma forma suscita Nabucodonosor para oprimir, neste sentido é que compreendemos Yeshayahu, não que por Hashem ser o criador echad, então a maldade tem que ter vindo dEle. Olha o perigo aí? haSatan existe e não é um empregado de Hashem, mas sim sujeito à vontade do YHWH e tem uma diferença gritante e gigantesca nisto. Lembrando também, que nem tudo que é da Sua permissão, seja necessariamente, da sua vontade. Hashem permite a morte, a dor, o terrorismo, mas isso passa longe do Seu QUERER! Então, diferencie o ser da VONTADE com o ser da PERMISSÃO!

"Contra Israel não vale encantamentos" Segundo o bruxo, vidente, profeta (seja lá como preferir chama-lo) Balaão.

Obs: Só se o mesmo Israel não estiver em transgressão. Satan sempre foi visto pelos israelitas antigos, como um anjo rebelde, mas para o judaísmo normativo hodierno, Satan, quando muito, é um ser de luz e obediente à todos os comandos de Elohím, não é autônomo e, tem um emprego um tanto indesejado, o de testar a yetse hará humana!

Aí até o diabo bate palmas!

Rosh Moshé ben Shalom

 

REPARTINDO O PÃO       

Para que estudar tando senão para repartir o pão?

Entendendo a complexa frase da Torá e ratificada por Yeshua haMashiach:

"Amarás ao teu próximo como a ti mesmo" no nível P'shat (simples/literal), matematicamente falando.

-Se imagine num deserto com uma pessoa e tendo apenas um pão para subsistência; mas a jornada é longa. Se imaginou? Agora lhe darei 3 opções práticas para entender a eficácia da mensagem ok?

a) Você come o pão inteiro e deixa o outro sem nada?


Então você se ama mais que ama o próximo.

b) Você dá o pão inteiro ao outro e morre de fome?


- Ama o próximo mais que a si mesmo.

c) Você parte o pão em partes iguais, afim que ambos comam igualmente?


-Você ama o teu próximo como a si mesmo.

Bom, como eu disse, o texto é complexo e existem muitas situações especiais que certamente alterariam tudo. Mas este é um sentido básico para se ter uma luz do propósito desta questão.

Acho que foi isto que Yeshua disse quando afirmou também:

 

"tem duas capas? Dê uma a quem não tem nenhuma"

REPARTIR. O que adiantaria dar a única capa para tirar o frio do outro e você mesmo passar frio não é mesmo?

Escrevi este artigo simplesmente porque vejo pessoas egocêntricas e outras mal posicionadas quanto a esta questão, se dando e doando coisas mais aos outros que a si mesmas. O meio termo é o caminho. Nem um extremo, nem outro; apenas repartamos o 'pão'; é para isso que estudamos tanto a Torá. Não é para ganhamos embates intelectuais. É para nos tornamos melhores!

Rosh Moshé ben Shalom